tradições

Tradições daqui, tradições de lá

Um efeito curioso de morar em outro país é adotar tradições que você até então não conhecia e passar a segui-las como se fossem suas.

Curiosamente é uma coisa que acontece mais com quem nunca deu muita atenção para tradições do seu próprio país. Quem sempre deu muito valor para as tradições de sua própria cultura têm mais dificuldade em esquecer algumas e adotar outras.

Não estou dizendo de maneira alguma que abrir mão de características da sua cultura e adotar as da cultura do novo país é o certo, de jeito nenhum. Não tenho dúvidas de que os imigrantes mais felizes são aqueles que encontram um bom meio-termo: adotam algumas das tradições locais enquanto mantém outras do país de origem.

No Brasil eu nunca dei muita atenção para tradições. Claro que tem várias que são tão generalizadas que só uma pessoa muito chata e do-contra se recusaria a seguir, como digamos comemorar o Natal e o Ano Novo. Outras são tão fortemente ligadas a algum significado específico que não seguir acaba sendo uma forma de protesto pessoal contra aquela norma social (por exemplo a mulher adotar o sobrenome do marido ao casar). Mas a maioria das tradições que não se encaixam nem no primeiro nem no segundo caso eu nunca dei muita atenção e sempre achei meio bobinho (como, digamos, usar branco no reveillon). Mas na verdade são essas que são as mais interessantes. Usar branco no reveillon é bobinho, mas justamente por ser tão difundida apesar de bobinha é que ela é uma tradição bonitinha. Esses dias mesmo eu comentei com as colegas do trabalho que no Brasil as pessoas usam branco pro ano novo – meio com vergonha, por ser uma coisa boba – e eles acharam super legal.

Então resolvi escrever um post sobre algumas tradições brasileiras que não existem na Alemanha e algumas tradições alemãs que não existem no Brasil.

Tradições do Brasil que não existem na Alemanha

Usar branco no ano novo
Ok, já comentei na introdução mas pronto: na Alemanha pode usar qualquer cor no ano novo. Aliás nem daria mto pra restringir porque é inverno então se você sair pra ver fogos você vai estar usando o seu um casaco de inverno.

Aliança de compromisso
Bom, isso no Brasil é mais pra adolescente namorando, acho… mas aqui muita gente não usa aliança nem depois que casa, quem dirá antes. E acho que se você sugerisse para sua namorada ou namorado alemão usar aliança de compromisso lhe seria tão estranho quanto definir que roupas ela/e pode ou não pode usar.

Furar a orelha de nenê menina
Melhor você nem comentar com os alemães que isso é comum no Brasil, eles vão achar o maior absurdo!

Dar flor (ou qualquer outra coisa) pras mulheres no dia da mulher
Uma tradição recente que pega mal com muita mulher, mas felizmente não existe por aqui. Dê flores no aniversário, isso é comum e apreciado.

Ovo de páscoa de chocolate
Ok, isso eu acho errado, mas eis que na Alemanha não tem ovo de páscoa de chocolate! “Ovo de páscoa” (Ostereier) aqui é um ovo normal com a casca pintada… ganha-se normalmente um coelho de chocolate, mas pequeno e insignificante perto dos nossos gigantes maravilhosos (e muito caros) ovos de chocolate.
ovo-cau

Dar presente de dia das mães/pais/namorados/crianças/etc…
Até existe dia das mães, dia dos namorados, e tal, mas ninguém troca presente. No máximo um buquê de flores pra mãe pq mãe é um caso a parte. Mas fora isso não conheço ninguém aqui para quem esses “dias dos…” tenha qualquer importância. No início do namoro com meu alemão eu fiquei meio chateada que ele não queria trocar presente de dia dos namorados, mas irc, ainda bem! Agora que desacostumei dessas coisas não tenho a menor vontade de trocar presente nesses dias bobos. Difícil é lembrar de ligar pros pais nos dias das mães e dos pais porque como ninguém fala disso aqui fica muito fácil esquecer!

Festa Junina
Não que eu fosse uma super entusiasta de arraiais, mas dá uma saudadinha de festa junina, às vezes! Eis uma tradição que só envolve coisa legal: comida, danças e músicas engraçadas, decorações e roupas propositalmente bregas, fogueira, balão, joguinhos divertidos. Maior saudade de festa junina! Na verdade a comunidade brasileira daqui organiza todo ano uma festa junina em Dresden, mas eu nunca fui. Esse ano vou sem falta.
festa-junina-baloes-e-luzes

Soltar fogos de artifício no Natal
Causaria um enorme estranhamento para qualquer alemão passando Natal no Brasil, os fogos de artifício à meia noite. É uma coisa meio recente no Brasil, também, não tinha isso quando eu era criança, mas foi ficando mais comum.

Tradições da Alemanha que não existem no Brasil

Comemorar os adventos
Uma das minhas preferidas tradições alemãs: comemorar os 4 domingos de advento antes do Natal. Aqui um post só sobre isso pra quem não sabe do que eu estou falando. Claro, não é assim nooossa, que comemoração. Mas sei lá, arrumar a mesa do café da manhã com decorações natalinas e velas de advento: gosto.
IMG_5940

Nikolaus
Outra tradição supimpa também da época de Natal: Dia de São Nicolau (6 de Dezembro). As crianças têm que limpar suas botas e deixar na frente da porta de casa para o São Nicolau passar e deixar uns presentinhos (chocolates, basicamente).
1461234_10202659730349909_25930631_n

Nome de família
Como no Brasil, aqui é comum que a mulher adote o sobrenome do marido ao casar, e que os filhos recebam o sobrenome do pai. Essa tradição patriarcal eu já não gostava no Brasil, mas aqui é sinceramente bem pior. É muuuuito muuuuito raro os noivos manterem seus nomes de nascimento ao casar, muito mesmo. Quase sempre se adota um para ser o sobrenome da família, e lógico que 99% das vezes é o do homem. Além disso, a diferença do Brasil é que aqui existe isso de nome de família. Mesmo que você mantenha seu nome de nascimento ao casar, se o casal tiver filhos um dos sobrenomes vai ter que ser escolhido para ser o sobrenome de família. Todos os filhos terão que receber esse mesmo sobrenome. E aqui só pode ter um sobrenome, então também não tem isso de ter um sobrenome da mãe e um do pai, as crianças recebem realmente só o sobrenome do pai. E as mulheres que mudam de nome não adicionam o nome do marido mas trocam o sobrenome pro do marido, já que não dá pra ter dois. Uma outra alternativa é adicionar o nome do outro só que com hífen, por exemplo Fulana Oliveira-Silva. Silva sendo o do marido e Oliveira o de nascimento. Mas os filhos pegam só o sobrenome de família, o Silva. Não o hifenado. E mesmo essa alternativa é pouquííííssimo utilizada, a grande maioria esmagadora dos casais fica com um nome só que na grande maioria esmagadora das vezes é o do marido. Quando eu falava pras pessoas daqui que ia casar, quase todos perguntavam se eu ia mudar de nome e ficavam muuuuito surpresas quando eu dizia que ambos íamos manter nossos nomes de nascimento sem mudar nada. É uma coisa quase inconcebível para os alemães. Esse assunto me deixa com muita raiva. Eis aqui, aqui e aqui diversos posts que eu já escrevi sobre esse tema.

Cortar um tronco ao casar
Uma tradição bobinha que eu certamente não segui no meu casamento, mas que é bastante comum por aqui: Após casar-se o casal corta, juntos, um tronco de árvore com uma serra de dois “lados”. Assim:tron o

Pra simbolizar o vencimento de dificuldade a dois etcetc.

Árvore de Maio
Uma tradição fofa comum em algumas partes da Alemanha é a árvore de Maio. Na noite do dia 30 de Abril pro dia 1˚ de Maio, moços colocam na janela de suas amadas uma bétula decorada com fitas coloridas. Assim:

maibaum

pixelio.de

Spring

Fizemos uma aquarela de uma árvore de Maio para o nosso convite de casamento! 🙂

Escrevi um post sobre as árvores de maio aqui. É uma tradição bem simpática!

Zuckertüte
E pra terminar, a melhor tradição alemã de todas! Os cones de doces que as crianças ganham quando entram na primeira série! No fim de semana antes do primeiro dia de aula do ano letivo, há uma cerimônia nas escolas para dar boas-vindas aos novos alunos: os que estão ingressando na primeira série. Nessa cerimônia bem importante, com os pais e até avós das crianças, cada criança ganha um cone enorme cheio de doces e presentinhos (como digamos lápis coloridos, réguas, algumas coisas relacionadas à escola e outras não).

Eis uma tradição que podia existir em todos os lugares!


(Publicado em 13 de Janeiro de 2018)

Anúncios

Cortando árvores de Natal

Nessa época do ano eu invariavelmente escrevo vários posts sobre Natal e temas relacionados. O Natal é uma comemoração tão importante na cultura dos países cristãos que não tem como você não falar sobre o Natal e pensar em Natal nessa época. E curiosamente todo ano aparece alguma coisa nova sobre o Natal que dá um post.

Esse ano pela primeira vez temos uma árvore de Natal em casa. A gente sempre passa o Natal com meus sogros, então nunca nos preocupamos de montar uma árvore de Natal pra ficar aqui sozinha enquanto a gente vai passar o Natal em Colônia.

Mas esse ano foi diferente.

Aqui na Alemanha as árvores de Natal são sempre árvores de verdade. Ninguém tem árvore de plástico aqui, pelo menos nenhuma família. Talvez se você for numa república de alguns estudantes você encontre lá uma arvorinha brega de plástico, pode ser. Mas numa casa de alguma família, onde as pessoas passam de fato o Natal, pode ter certeza que vai ter uma árvore de verdade. Os alemães ficariam horrorizados de se deparar com uma árvore de plástico. Mas claro, faz sentido, aqui as árvores de Natal já eram queridas antes de serem de Natal.

Aliás, uma observação importante. Árvores de Natal não são pinheiros. Pinheiro de Natal é na verdade um erro de tradução. As árvores da família dos pinheiros (são várias espécies diferentes) tem galhos parecidos com esse:

pinus_ponderosa_cones

A árvore de Natal “oficial” é uma Tannenbaum, em português se chama Abeto. Pois é, ninguém conhece esse nome, provavelmente por isso que traduzem pra pinheiro. Mas as árvores da família dos Abetos têm galhos parecidos com esse aqui:

abies_holophylla_03

É bem diferente, também na aparência da árvore como um todo. Mas tanto o Pinheiro quanto o Abeto são coníferas, árvores que permanecem verde o ano inteiro, e por isso sua ligação com o inverno e o Natal – porque são os únicos tipos de árvores que não perdem as folhas para o inverno. As coníferas tem uma grande importância na cultura de países frios. E o Natal não é no solstício de inverno por acaso, já muito antes do cristianismo o solstício de inverno era comemorado em diferentes culturas.

Mas voltemos às árvores de Natal. Então aqui todo mundo tem uma árvore de verdade, certo. E onde se arranja uma árvore?

Tem diferentes opções. Você pode roubar uma árvore da floresta mais próxima, não recomendo porque é roubo, mesmo. Mas tem quem faça isso. Mas a maioria das pessoas simplesmente compra uma árvore de algum produtor próximo. Tem vários lugares nas cidades onde os produtores trazem as árvores de Natal já cortadas para vender, mas você também pode ir direito no viveiro e escolher e cortar sua própria árvore de Natal.

No escritório em que trabalho, todo ano no início de dezembro os colegas e o chefe vão juntos buscar uma árvore de Natal em um viveiro de um amigo do chefe. Quem quer árvore de Natal em casa pega a sua, e juntos escolhemos uma árvore bem bonita para o escritório. Esse ano eu fui pela primeira vez junto – ano passado não pude ir e no ano anterior o evento acabou não rolando. A gente não tinha planos de comprar uma árvore de Natal já que não passamos o Natal aqui, mas já que estávamos lá resolvemos levar uma pequena. E o processo todo de ir escolher, cortar, embalar e levar a árvore foi tão divertido e novo para mim que não tive outra opção se não vir correndo escrever um post a respeito!

O tal viveiro de árvores de Natal fica em algum lugar há uns 40 minutos de carro de Dresden. Os alemães só colocam as decorações de Natal em dezembro, ou a partir do primeiro advento (o quarto domingo antes do Natal, que às vezes cai nos últimos dias de Novembro). Então o viveiro só abre para venda a partir do fim de semana do primeiro advento. Ou seja. Abriu hoje. Não por acaso, estava super cheio, muitas pessoas vão lá buscar suas árvores de Natal, e vários saem inclusive com várias árvores!

 

WhatsApp Image 2017-12-02 at 14.06.52

Parte do viveiro de árvores de Natal

IMG_3603

Tem árvores de todos os tipos, tamanhos e formatos. Os preços variam bastante de acordo com o tipo de árvore e o tamanho (a etiqueta no topo da árvore indica o preço). Tem algumas espécies diferentes, inclusive com cores ligeiramente diferentes. Na foto de cima, do lado direito dá para ver algumas árvores mais azuladas por exemplo. A árvore que escolhemos, uma bem pequena (em comparação com a maioria das outras árvores disponíveis, mas ficou grande o suficiente na nossa sala!), custaria só 9,99€. Mas alguns dos meus colegas que tem mais espaço em suas salas levaram maravilhosas árvores enormes, que teriam custado uns 60€ cada. Estou falando que teriam custado porque as nossas foram de graça – o chefe que pagou todas!

IMG_3604.JPG

A árvore que escolhemos é a da direita, verde clara. Bem pequena na média.

Bom, o primeiro passo é escolher a árvore. Daí o passo seguinte é cortar a árvore. Você pode pegar uma serra emprestada na entrada, claro.

IMG_3609

Meu marido cortando a nossa árvore

Quando eu digo “cortar a árvore”, você já deve estar imaginando um lenhador com uma serra gigante gritando “Madeeeeeiraaaa!” à la Picapau. Na verdade é bem mais simples que isso, já que essas árvores são bem pequenas (mesmo as grandes) em relação a árvores que se cortaria numa floresta para usar a madeira. A serra é super simplesinha e o tronco ainda é bem fininho. Difícil mesmo é se tiver tudo coberto de neve. Aí fica complicado encontrar o tronco, rsrsrs. Mas num dia como hoje, é bem tranquilo cortar a árvore.

Ok, árvore cortada, o próximo passo é embalar. Não tem como levar a árvore assim tão arvoresca pra casa. Então você fica aqui numa fila de pessoas com árvores esperando para embalá-las:

img_3618.jpg

E aí vem a parte mais engraçada: os funcionários do viveiro colocam a árvore numa máquina de embalar árvore, que puxa a árvore para dentro de uma rede. Assim:

Tchans! E assim ficam as árvores embaladas:

IMG_3648

Eu e a minha árvore (à direita) e a árvore do escritório (à esquerda).

Bem mais fácil de transportar.

Tá, aí você leva a sua árvore pra casa, mas como deixar uma árvore cortada de pé? Precisa de uma base, claro. E você precisa ter uma base especificamente para árvores de Natal. Lógico que é super fácil de achar pra vender em Dezembro. Tem vários tipos diferentes, nós compramos essa assim:

WhatsApp Image 2017-12-02 at 23.09.27

Não dá pra ver direito, mas ela tem um buraco no meio e quatro “dentes” que prendem o tronco da árvore. É uma base super pesada – tem que ser, se não a árvore tomba – e dá para colocar água dentro como se fosse um vaso.

Um detalhe importante é que os alemães costumam decorar a árvore só no dia 24! Frequentemente a árvore já está bonitinha em casa e com luzinhas desde o início de dezembro mas os enfeites mesmo só no dia 24. A gente vai enfeitar a nossa agora, mesmo, já que não estaremos aqui no dia 24. Já colocamos umas bolas iluminadas que é uma decoração bem comum por aqui.

2017-12-02 19.16.55

Aí pronto!

No começo (da minha vida na Alemanha) eu achei estranho que todo mundo tivesse árvores de verdade, me parecia ruim “matar” uma árvore só para ter ela decorada na sua sala e não sei o quê. Mas na verdade isso é uma ideia bem boba. A árvore foi plantada especificamente pra isso, num campo, tudo seguindo todas as leis ambientais e seja lá o que for. A gente meio que aprende que “cortar árvore” é uma coisa ruim, mas não é tão simples assim. Ruim é destruir o meio ambiente, não cortar uma árvore. Não tem problema nenhum cortar uma árvore (para usar a madeira, por exemplo), se aquela árvore veio ou de uma plantação para corte ou de uma floresta natural gerida de acordo com as regras ambientais de maneira que a quantidade de árvores cortadas não seja além do que a floresta naturalmente produz, etc. Na verdade essas coisas eu só aprendi depois que fiz um mestrado em ciências florestais. E plantar árvores de natal para vendê-las depois de um ano não tem nenhum impacto ambiental que justifique qualquer indignação ou estranhamento. É que a gente não está acostumado com a idéia mesmo.

Mas foi super divertida a experiência de hoje, e com certeza é muito mais legal ter uma árvore de verdade no Natal que uma árvore de plástico! (Só que tem que varrer as folhinhas do chão toda hora!)


Publicado em 2 de Dezembro de 2017

Casando na Alemanha parte 3 – A comemoração

Há poucos meses atrás escrevi dois posts sobre casar na Alemanha, um sobre as leis e direitos para pessoas casadas, e outro sobre os documentos necessários e o processo burocrático para poder casar aqui. Mas ficou faltando um post falando sobre a comemoração em si, que eu deixei para escrever depois do meu próprio casamento.

Casamos faz duas semanas, então é boa hora pra escrever esse post!

No geral, a comemoração de casamento na Alemanha é bem similar ao que conhecemos no Brasil, ou de filmes americanos. As tradições básicas são iguais: vestido branco, aliança, “sim”, bolo de três andares, presentes, etc. Mas nos pormenores as diferenças são várias. Algumas eu descobri só durante o meu casamento, com amigos brasileiros comentando “puxa, no Brasil não se faz assim!” (e eu nem sabia!).

Faz sentido começar com a despedida de solteiro. Aqui na Alemanha (mais especificamente aqui na Alemanha oriental, porque segundo meu (!) marido (!), que é do oeste, lá não tem isso) a despedida de solteiro é um tanto diferente. É similar para o noivo e a noiva. Um grupo de uns 5/6 amigos leva o noivo, vestido com alguma fantasia bem ridícula (banana, super-homem, noivA, tem de tudo), pela cidade pra beber cerveja por aí (e acho que pedir dinheiro pra cerveja, tb). A noiva se junta com um grupo de umas 5/6 amigas, e com um véu de noiva e talvez uma saia branca, ou alguma outra peça de roupa pra ficar bem óbvio que ela é a noiva, saem por aí vendendo bobeiras pela rua (qualquer coisinha que vc não precise mais tipo escova de cabelo, sei lá, pra vender por 50 centavos) também para usar o dinheiro para beber.  Os amigos do noivo e as amigas da noiva normalmente usam todos camisetas iguais personalizadas com alguma frase boba qualquer, talvez uma foto da noiva ou do noivo, um nome engraçado que o grupo deu pra si mesmo ou algo do gênero.

Você reconhece esses grupos de longe pela cidade, e nos fins de semanas de meses mais quentes tem dias que andando pela cidade você encontra pelo menos uns 5 grupinhos de despedida de solteiro/a.

Eu jamais teria escrito sobre essa tradição antes do meu casamento, pra não correr o risco das amigas brasileiras terem a péssima ideia de reproduzir a tradição alemã comigo…. rsrsrsrs. O meu marido também não fez nada do tipo, já que os amigos dele também são a maioria do oeste onde essa tradição não existe. Ufa!

A outra tradição mais diferentona que tem aqui em casamentos é a de serrar um tronco juntos. O noivo e a noiva, após a cerimônia, serram juntos o tronco de árvore com uma serra de dois cabos. Assim:

tron o

A ideia por trás é simbolizar que o casal consegue, trabalhando junto, lidar com tarefas difíceis ou qualquer bobeira do tipo.

Uma diferença talvez grande entre as comemorações de casamentos daqui e do Brasil, é que na Alemanha elas costumam ser um tanto menores. Os casamentos que fui no Brasil tinham 200 a 300 convidados. Aqui, os casamentos grandes costumam ter 60, 80 convidados. Festonas de 200 pessoas são raras. Nós tínhamos 60, e sempre que eu respondia esse número quando algum alemão me perguntava quantas pessoas teriam, a reação era “nossa, bastante!”. Não é raro casamentos em que os únicos convidados são a família, ou mesmo só a família direta (pais e irmãos) dos noivos. Por outro lado, aqui as comemorações são mais longas. Não é incomum o casamento ser um programa que ocupa quase o dia todo. Pra nós, por exemplo, foi assim: a cerimônia civil foi às 11h da manhã, depois da qual fomos andando até o jardim de casa, onde fizemos os votos e comemos o bolo. Os convidados foram indo embora a partir das 13h e lá pelas 15h30 foram os últimos. Então tivemos umas duas horinhas para dar uma descansada, e logo todos se encontraram novamente, às 18h, no restaurante onde foi o jantar de comemoração. Alguns foram embora logo após a sobremesa, lá pelas 22h30, e outros ficaram até cair de sono, lá pelas 2, 3 da manhã. Os dois outros casamentos em que eu fui aqui na Alemanha foram similares: a cerimônia seguida do bolo por volta da hora do almoço, e o jantar de comemoração a noite.

Algumas pequenas variações eu descobri no próprio casamento. Por exemplo, o bolo. Eu nunca tinha percebido ou não lembrava, mas parece que no Brasil os bolos de três andares são falsos, só o andar de cima é um bolo mesmo, para a foto, e o resto do bolo é distribuido já cortado entre os convidados. Aqui os bolos são, mesmo, de três andares. Eis uma foto do nosso bolo:

Outra diferença que é mais legal aqui é em relação aos presentes. No Brasil, normalmente se faz uma lista de presentes em umas duas ou três lojas grandes de artigos para a casa ou eletro-eletrônicos, e os convidados compram o presente online, que já é enviado diretamente por correio para os noivos. No próprio casamento não se recebe presentes. E ainda me contaram algo que eu não sabia – no Brasil em várias lojas a lista de presentes nem é “real”. Quer dizer, os convidados, ao comprarem os presentes da lista, não estão de fato dando aquele presente, mas sim o valor do mesmo em vale para os noivos usarem na loja.  Os noivos podem fazer uma lista com presentes de variados preços e no fim usar o dinheiro que os convidados gastaram com os presentes para comprar algo na loja que nenhum convidado sozinho teria dado, digamos uma televisão super cara, sei lá. Aqui os presentes são comprados pelos convidados e entregues por eles no próprio dia do casamento, sempre com um cartão com algo simpático escrito.

E legal também é que costuma ter algumas coisas “interativas”, como livro de visitas e coisas do tipo. No nosso, a minha cunhada pegou um daqueles jogos de jenga e colocou as peças numa mesa com uma plaquinha “assine uma peça” e aí todo mundo assinou uma peça, ou fez um desenhinho, e tal. Agora temos um jogo de jenga com as peças assinadas pelos nossos convidados!

IMG_1300

Uma coisa que é comum aqui, e que a gente conhece de filmes americanos mas não de casamentos no Brasil, são discursos dos convidados. Por aqui costuma ter um momento para que convidados façam discurso ou apresentem qualquer coisa que prepararam para os noivos. No casamento de uma tia do meu marido, por exemplo, a família preparou uma música pra todos cantarem juntos… foi um tanto bobo, mas bem típico, rsrsrs. No nosso, a família dele preparou um vídeo com vários dos nossos amigos e família respondendo perguntas sobre nós. Meu marido, que quase sempre em comemorações familiares toca algumas músicas no violão para o comemorado (aniversariante / casal recém-casado…) tocou algumas músicas para mim. Alguns amigos e familiares fizeram discursos curtos e bonitos.

A cerimônia em si – a civil – é bastante diferente. No Brasil, a sala do cartório onde se assina o papel é normalmente uma salinha sem graça num predinho sem graça típico de setor público. Às vezes o escrivão vem até o local da comemoração e faz a cerimônia com as assinaturas lá – não sei exatamente como funciona. Aqui não dá para pedir pro escrivão ou escrivã se deslocar para o seu local de comemoração, mas tem algumas opções de locais onde você pode realizar a cerimônia civil além da sede do cartório. Normalmente são locais bem bonitos como centros culturais, museus, coisas assim. Espaços públicos mas bem bonitos. E mesmo o prédio do cartório é super bonito, combina bem com casamentos. A cerimônia é curta, mas eles se esforçam para que seja bonita e possa substituir bem a religiosa para quem não quer a mesma. Então o escrivão ou escrivã fala algumas frases bonitas sobre casamento, etc, tem a opção de ter alguém tocando música em determinados momentos, a sala e a mesa são bem decoradas. Nós casamos num prédio que é uma espécie de centro cultural, onde tem dois salões onde acontecem concertos e coisas do gênero. Era uma sala super bonita, com um piano de cauda e espaço para 140 convidados. Contratamos uma amiga que é pianista profissional (e também minha professora de piano) para tocar para a gente durante a cerimônia, foi tudo bem bonito. Pra quem não quer fazer uma cerimônia religiosa, essas opções de locais para a civil dão ótimas alternativas para uma cerimônia memorável e também válida (porque tem sempre, claro, a opção de fazer no dia uma cerimônia só simbólica e assinar o papel no cartório noutro dia qualquer só entre vocês).

Você tem que pagar uma taxa extra se quiser escolher um desses locais que não são a sede do cartório, mas para vários deles o valor é bem baixo. No nosso caso, por exemplo, era apenas 50 euros. Os mais caros custam 500.

Os convidados brasileiros também acharam muito diferente não ter tido vários padrinhos e madrinhas. A gente chamou o melhor amigo dele e a minha melhor amiga para serem testemunhas no cartório e foram esses, por assim dizer, nossos padrinho e madrinha. No Brasil é comum ter vários padrinhos e madrinhas. Aqui, na verdade, pro cartório nem precisa de testemunha. Podem casar só os noivos completamente sozinhos. Ou então pode-se escolher dois amigos ou parentes para serem testemunhas, um para cada noivo. É mais uma coisa simbólica, já que não precisa, mas as testemunhas assinam o papel, também.

20170527_111308

Nosso padrinho assinando o papel

Uma coisa que eu acho curiosa é que, enquanto algumas tradições típicas são pouco importantes – te deixando com a impressão de que os alemães não são muito conservadores – outras parece quase impossível encontrar alguém que não siga – te deixando com a impressão contrária, de que os alemães são mais conservadores que nós. Por exemplo: vestido branco e aliança foram duas tradições bem típicas que a gente não quis seguir e quase ninguém na Alemanha achou estranho. O meu vestido era vermelho, e conheço aqui várias outras pessoas que casaram com alguma cor que não fosse o branco. Ninguém me questionou por não usar branco. Também preferimos não ter alianças, e embora depois do casamento alguns tenham perguntado sobre alianças, ninguém achou muito estranho não termos – e também conheço muitos casais casados aqui que não usam aliança. Esses dois pontos foram bem mais estranhos para os brasileiros. Por outro lado, os dois manterem seus nomes sem nenhuma mudança foi uma coisa quase impossível de explicar para os alemães, e totalmente normal para os brasileiros. Aqui é muuuuito raro a mulher não mudar de nome ao casar, até escrevi um post sobre isso. Toda vez que me perguntavam se eu ia mudar de nome, rolava todo um questionamento do porquê: “Mas é pq o nome dele é estranho?” “É que dá trabalho, né?”, “Sai caro, mudar todos os documentos, é por isso?”. Parece inconcebível, pros alemães, que uma mulher queira manter seu nome de nascimento simplesmente pq é seu nome e pronto. E quando é o homem que muda o nome, eles tratam como se fosse uma coisa suuuuper romântica, um enorme favor e sacrifício que ele está fazendo por ela… eu hein! Para os brasileiros, as duas coisas mais estranhas do nosso casamento foram o noivo ter visto o vestido antes do casamento (na verdade ele me ajudou a escolher, também), e nós termos entrado juntos para a cerimônia.

Acho que é isso! Agora que passou espero ter mais tempo para colocar o blog em dia!


(Publicado em 12 de Junho de 2017)

Sternsinger – Cantores da Estrela

Esse blog já tem 3 anos e meio. Eu nunca teria imaginado, quando comecei a escrever, que teria assunto o suficiente pra continuar escrevendo por 4 anos. Mas mesmo depois de tanto tempo eu ainda frequentemente me deparo com coisas que eu nunca tinha percebido antes e que dão um ótimo post.

Recentemente, por exemplo, notei uma coisa curiosa na porta da casa dos meus sogros:

img_3145

Aqueles escritos ali em cima da porta: 20 * C + M + B + 16.

Não era exclusivo da casa deles. Achei várias outras casas na vizinhança e também em outras cidades com escritos similares:

img_2027img_2028

A maioria das casas que vi tinha apenas “20 * C + M + B + 16“, mas a dos meus sogros em especial (a porta azul acima) tinha vários: 20 * C + M + B + 12, 20 * C + M + B + 14, 20 * C + M + B + 15 e 20 * C + M + B + 16, sendo o último o que estava mais claro, os outros mais apagadinhos.

Quem escreveu esses estranhos códigos? O que eles significam? Porque alguns estão mais apagados que os outros? Como que em 4 anos de Alemanha eu nunca tinha notado esses negócios escritos em vááárias portas??

As respostas para essas perguntas não foram difíceis de descobrir, qualquer alemão saberá te dizer o que significam esses códigos. São uma benção à casa.

No dia 6 de Janeiro, o dia dos três reis magos, grupos de crianças vestidas de três reis magos (ou 4, ou 5, ou quantos reis magos (e rainhas magas) forem necessários para o grupo de crianças em questão) carregando uma estrela vão de porta em porta cantando umas músicas e oferecendo uma bênção para a casa, em troca de uns trocados para projetos de caridade das igrejas, e também uns doces – que né, doces são sempre necessários.

Assim:

Hans Kadereit – Wikipedia

Chamam-se “Sternsinger”, ou “Cantores da estrela”

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Vários grupos de Sternsinger reunidos na igreja. Hans Kadereit – Wikipedia

E os códigos? 20 * C + M + B + 16? Os códigos são a bênção em si, que as crianças escrevem com giz. Os números, vc já deve ter concluido, significa o ano, no caso 2016. CMB é uma sigla para a frase em latim “Christus mansionem benedicat“, “que Cristo abençoe essa casa”. Mas também são popularmente interpretados como os nomes dos três reis magos: Caspar, Melchior e Balthasar. Só não sei como as crianças conseguem escrever a tal bênção lá no topo da porta… suponho que algum adulto dê uma ajudinha!

A benção do ano atual você encontra em várias portas, mas em algumas poucas portas você encontra ainda, meio apagadinho, as bênçãos de anos anteriores, como na porta dos meus sogros. Algumas casas têm até uma pequena lousinha na porta, especificamente pra esse fim (como a segunda foto lá em cima, da porta branca).

É isso! Um fato curioso que pode passar facilmente despercebido se você mora em apartamento! Agora fiquei pensando que teria feito mais sentido escrever esse post no dia 6 de Janeiro… oh well, 6 de Setembro é quase 6 de Janeiro!


(Publicado em 6 de Setembro de 2016)

Um detalhe sobre o Carnaval

No ano passado eu escrevi um post sobre o famoso Carnaval de Colônia, o maior e mais tradicional da Alemanha.

Aqui em Dresden não se comemora muito o carnaval, mas uma coisinha ou outra acontece. A principal comemoração são as crianças que fazem, nas escolas. Aqui não é feriado no carnaval (só em Colônia) então nesses dias, especialmente hoje, terça-feira, as crianças vão fantasiadas pra escola.

Mas é bem comum comer sonho (Pfannkuchen ou Berliner, fiz um post só sobre esse doce aqui) nessa época do ano, particularmente nesses dias de carnaval. Sexta, segunda e hoje tinha uma enorme caixa de sonhos na cozinha do escritório pra todo mundo. Sexta e segunda as caixas ficaram lá abertas para quem quisesse pegar um sonho. Hoje, porém tinham duas caixas enormes de sonhos, fechadas, e pouco antes do almoço a gente se juntou na cozinha para tomar um copo de champagne (pra comemorar o carnaval?) e comer os sonhos. E aí que eu descobri uma outra “tradição” dessa época. Na caixa tinha um único sonho “falso”. Em vez de ser recheado com geléia ou creme, como os outros, ele estava recheado com mostarda!! Aparentemente isso é uma brincadeira típica do Carnaval, de todo mundo comer os sonhos juntos e aí um deles ser “falso” e essa pessoa tem que fazer a limpeza depois. Sorte que eu não peguei o sonho com mostarda, não ia ter entendido nada de porque tinha mostarda no sonho, lol.

Berliner_und_Faschingsbrezeln

Mas não se preocupe, pelo menos no nosso caso a pessoa que pegou o sonho com mostarda pôde substitui-lo por um gostoso com geléia.

Ok, esse post ficou meio curto, mas é porque de fato não tem muito o que falar sobre carnaval quando se mora em Dresden.


(Publicado em 9 de Fevereiro de 2016)

 

Männertag – O dia dos homens

Hoje é feriado na Alemanha. A primeira quinta feira 40 dias após da Páscoa é, na religião cristã, o dia da Ascenção, em que Jesus ascendeu ao céu. O Feriado é por causa dessa comemoração, chamada em alemão Christhimmelfahrt. Mas no mesmo dia é também o não oficial Dia dos Homens, ou Männertag em alemão, ou ainda também chamado Dia dos Pais, Vatertag.

A tradição do Männertag já vem de longa data, e, como talvez possa-se imaginar pelo nome “Dia dos Homens”, não é uma data de comemorações fofinhas.

Basicamente a tradição é juntar um grupo de amigos – só homens, claro – e fazer uma caminhada puxando um carrinho de mão cheio de garrafas de cerveja ou vinho dentro. O qual, claro, eles bebem o dia inteiro para ficar tão bêbados quanto humanamente possível. Tanto que os acidentes de tráfego relacionados a alcoolismo aumentam em 3 vezes nesse dia. Que beleza de comemoração!

Steffen Gebhart at en.wikipedia

Em certas partes da Alemanha, o dia é comemorado com mais afinco, como é o caso daqui, Dresden, onde muitos jovens (rapazes) aproveitam o dia para se embebedar loucamente.

Quanto ao fato de ser também o dia dos pais, isso na verdade não importa muito por aqui. Esses dias como dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, que no Brasil são híper comemorados, por aqui não têm muito valor, não. Sabe-se que é o dia das mães, ou dia dos pais, mas raramente as mães ou pais ganham presentes ou almoços com a família. Aliás, nem mesmo o dia dos namorados (aqui também comemorado no dia 14 de fevereiro) recebe muita atenção por aqui.

Mas a tradição do Dia dos Homens tem um background. Provavelmente teve início em procissões do dia da Ascenção (segundo o Wikipedia), celebrado desde o século XVIII. Os homens sentavam-se em carrinhos de mão e eram levados para a praça do vilarejo, onde o prefeito dava um presente (um grande presunto) ao homem com o maior número de filhos. O que, convenhamos, é uma tradição bem mais divertida. Mas aos poucos a parte religiosa foi se perdendo e a tradição foi sendo simplificada a um grupo de homens passeando com cerveja e presunto. Tudo bem.


(Publicado em 14 de Maio de 2015)
(PS: vc já curtiu a gente no facebook? Curte lá! Clica aqui nesse logo aqui na coluna da direita, ali em cima do calendário!)

Pão e sal

Um costume bem interessante aqui na Alemanha é a tradição referente a mudanças para novos lares.

Como no Brasil, quando você se muda para uma casa nova, é comum fazer uma festinha com os amigos ou familiares para comemorar a casa nova. Mas uma coisa diferente e bem interessante é o presente que habitualmente se dá a um amigo ou familiar que se mudou para uma casa nova: pão e sal.

Olli Niemitalo – Wikipedia

Normalmente preparadinhos de uma maneira decorativa, o pão talvez enrolado num pano bonito e o sal em um pequeno recipiente simpático, a combinação pão e sal é uma tradição típica da Alemanha e alguns outros países vizinhos.

E, como toda tradição, o presente não é sem significado. O sal, em tempos passados um condimento muito caro, simboliza a riqueza que você deseja para seu conhecido na nova casa. O pão, um item essencial da cozinha alemã, simboliza os votos de que seu conhecido sempre tenha o suficiente para comer em sua nova casa.

Em tempos passados a combinação de pão e sal era um presente não apenas simbólico mas realmente valioso uma vez que a comida era escassa e os ingredientes, custosos. Hoje, claro, tanto pão quanto sal podem ser adquiridos por poucos euros em qualquer supermercado ou padaria, de maneira que o presente é puramente simbólico. Mas isso dá uma certo valor diferente para o mesmo. Afinal, não sendo caros, fica fácil preparar um presentinho de boas vindas para novos e desconhecidos vizinhos também, facilitando a criação de um relacionamento bom na vizinhança. Quer dizer, a simbologia do presente faz com que você passe uma boa impressão de simpatia ao bater na porta do seu novo vizinho com um pão e um pouco de sal. A tradição existe na Alemanha toda. Fica a dica!


(Publicado em 18 de Outubro de 2014)